VIDRO SERIGRAFADO: RECURSO BÁSICO OU TENDÊNCIA?

post_vidros1

Descoberto por arqueólogos, em civilizações tão antigas quanto os ancestrais do Egito e da Mesopotâmia, o vidro serigrafado dificilmente poderá ser considerado uma nova tecnologia. No entanto, graças às suas propriedades relacionadas à eficiência energética, à sua suavidade e ao gradiente estético que produz, o vidro serigrafado está ressurgindo na arquitetura contemporânea.

O vidro serigrafado é feito a partir da aplicação de um composto cerâmico pigmentado sobre sua superfície, o qual se funde no vidro durante o processo de têmpera, tornando-se assim altamente resistente a riscos. Ele está disponível numa grande variedade de padrões, mas na maioria das vezes é utilizado com desenhos concebidos a partir de uma composição de pontos ou linhas. Esses padrões podem, então, serem serigrafados em vidros temperados. Em seguida, o vidro é aquecido em um forno de têmpera, o que fortalece e melhora a segurança do vidro sob altas temperaturas.

O produto resultante é um vidro com uma determinada transparência, que, quando usado em fachadas de edifícios, pode reduzir a absorção da luz solar e até mesmo tornar os edifícios envidraçados mais visíveis e, por conseguinte, mais seguro para os pássaros.

post_vidros2

Embora os vidros serigrafados possam ser utilizados de diversos modos, a aplicação mais comum é em edifícios altamente estilizados, com os arquitetos utilizando a serigrafia para borrar as juntas entre os painéis de vidro (como no Museu Whitney), criando vistas com maior transparência para o exterior dos edifícios (como no IAC Building de Frank Gehry) ou para produzir uma representação gráfica (como noCentro de Aprendizagem da Universidade de Ryerson / Zeidler Partnership Architects + Snøhetta).

Muitos outros materiais de alto estilo da história recente (como vidros tingidos de dourado e mármores com cores brilhantes) eventualmente tornam-se ultrapassados ou muito espalhafatosos e, portanto são relegados apenas à uma tendência. Teria o vidro serigrafado regressado de vez à arquitetura, ou ele ainda está destinado a ser visto como uma moda passageira?

A seguir, alguns exemplos de projetos que ajudarão você a se decidir:

Nano Techology Labs at Penn

Krishna P. Singh Center for Nanotechnology / WEISS/MANFREDI

Architects 3205 Walnut Street, University of Pennsylvania, Philadelphia, PA 19104, USA Marion Weiss, FAIA and Michael A. Manfredi, FAIA Project Manager Michael Harshman, AIA, Kimberly Nun, AIA, Ina Ko, AIA, and Michael Steiner, AIA, LEED-AP Project Year Photographs Patrick Armacost, Cheryl Baxter, Michael Blasberg, RA, Beth Eckels, Jocelyn Froimovich, Patrick Hazari, Bryan Kelley, Jina Kim, Justin Kwok, Andrew Ruggles, Joe Vessell, and Joe Vidich Consultant/MEPFP Structural Engineer Civil Engineer Viridian Energy & Environmental, LLC R.A.

post_vidros4

Allianz Headquarters / Wiel Arets Architects

Flavio Loretz, Jörg Lüthke, Ruth Val Garijo, Virginia Angell, Anira Niso, Angela Tsang, Mikal Switalsky, Jacques van Eyck, Maron Vondeling, Christina Lotzemer Jentges, Joost Körver, Ilze Paklone, Alexandra Dobrowowolska, Boris van Eijsden, Joris Lens, Thomas Misik, Lucia Miglio, Hannes Scheutz, Dunia Nedjar, Francois Steul, Alexis Bikos, Athanasia Karaioannoglou, Victor Hidajat, Aline Amore, Birgit Schwarz, Tieme Zwartbol, Boris Wolf, Chris Frodsham, Alessandra Ferrari, Marcos Romero GKP Fassadentechnik AG, R+B Engineering AG, Ahochn AG, Jäger Partner Bauingenieure AG, GRP Ingenieure, Kardorff Ingenieure From the architect.

post_vidros5

High Line 23 / Neil M. Denari Architects

Architect: Neil M. Denari Architects Location: Principal in charge: Neil Denari Project Architect: Duks Koschitz Project Designer: Stefano Paiocchi Project team: Carmen Cham, Alex Janowsky, Philipp Traexler, David Aguilo, Steven Epley, Paola Vezzulli, Joe Willendra Collaborating Architect: Marc Rosenbaum Architects Structural engineers: Desimone Consulting Engineers Lighting design: TWS & Partners Façade Consultant: Front Interior design: Thomas Juul-Hansen Lighting design: Lighting Design Alliance MEP Engineering: Ambrosino, DePinto & Schmieder Consulting Engineers Construction Management: T.

post_vidros6

Museum Of The History Of Polish Jews / Lahdelma & Mahlamäki + Kuryłowicz & Associates

Architects Muzeum Historii Żydów Polskich, Mordechaja Anielewicza 6, 00-157 Warszawa, Poland Riitta Id, Maritta Kukkonen Jukka Savolainen, Mirja Sillanpää, Miguel Freitas Silva Markus Wikar Kuryłowicz & Associates, Stefan Kuryłowicz, Ewa Kuryłowicz, Paweł Grodzicki, Marcin Ferenc, Tomasz Kopeć, Michal Gratkowski Project Year Photographs From the architect.

post_vidros7

Princeton School of Architecture / Architecture Research Office

Architects Architecture Research Office Principal-in-charge: Adam Yarinsky; Project Manager: Megumi Tamanaha; Project Team: Jennifer Park, Tina Hunderup, Adrian Wu, Arthur Chu Project Year Photographs From the architect. A strategic intervention, this Addition re-centers the Princeton School of Architecture.

post_vidros8

Vol Walker Hall & the Steven L Anderson Design Center / Marlon Blackwell Architect

Architects University of Arkansas, Fayetteville, AR 72701 Marlon Blackwell, FAIA, Principal in Charge and Design Architect; David Jaehning, AIA, Project manager; Meryati Johari Blackwell, Assoc. AIA, NCIDQ, ASID, LEED AP BD+D; Jonathan Boelkins, AIA; William Burks, Assoc. AIA; Stephen Reyenga, Assoc. AIA; Michael Pope, Assoc. AIA; Bradford Payne, Assoc.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s